6.04.2015

Na estante: Ratos

Me deixe ressaltar algumas coisas:

"A espontaneidade da escrita de Reece tem tanta força que o leitor demora a suspeitar que pode haver mais em Shelley do que ela realmente mostra." - The Guardian
"Uma história emocionante, especialmente pela natureza frágil das heroínas." - The Bookseller
"Vitimas, levadas ao extremo, tornan-se os agressores nesse thriller de opostos." - Kirkus Reviews

Todas as citações acima se encontram na contra capa deste livro. Que por sinal é um ótimo livro. Mas o que me faz dizer a você que ele é um bom livro? Eu poderia resumir essa resenha em "Um suspense perfeito", mas não o farei. Possivelmente, porque eu gosto de escrever e te encher o leitor de expectativas. Maus hábitos, hein? 

Há algum tempo se vem quebrando alguns estigmas na sociedade. E um deles é o perfil de heróis e heroínas. Porque se você reparar bem, existem muitos feitos heroicos que estão camuflados na pela humana do dia a dia. E isso não é diferente no brilhante "Ratos" de Gordon Reece. É aquele velha história que eu já cheguei a citar aqui no blog, só porque não vemos algo a olho nu, não significa que não esteja ali, todos os dias, esperando para sair. 
Shelley e sua mãe já sofrerem por um longo período de tempo, entre divorcio, bullyling, abandono, elas acreditam que finalmente conseguiram um tempo relativamente calmo em suas vidas. Até que tudo muda, da noite pro dia (literalmente).
Toda a narrativa é contada pelo ponto de vista de Shelley, uma garota de 16 anos, que possui uma uma imaginação fértil e uma mente aguçada. Os fatos do livro vão se misturando com a obra prima do escritor inglês William Shakespeare, Macbeth, um dos livros que Shelley está estudando para o exame escolar. A tragédia e suas consequências caem sobre as protagonistas como uma chuva de um verão muito longo. Praticamente um diluvio. E se elas querem sair ilesas, é melhor começarem a pensar em termos nada ortodoxos para escapar. Mas desde de quando ratos conhecem algo além da escuridão de suas tocas? Desde quando ratos cometem atos heroicos? Desde de quando ratos protagonizam uma história de assassinato? Todas esses questionamento serão sutilmente explorados pelo autor no decorrer do livro. Com muita maestria, diga se de passagem. 
Com esse suspense nato, Reece leva o leitor a horas de ansiedade até o desfecho final, com menos de cinco páginas para acabar o livro. Mesmo sendo um livro curto, com capítulos curtos, toda a narrativa é detalhada o suficiente para nos levar até o Chalé Madressilva, nós fazer imaginar as manchas no rosto de Shelley, vislumbrar o carro azul do visitante e as noites regadas a vinho e musica folclórica russa.   

[ páginas marcadas ]
"Vi outro delicado raio de sol ser engolido pela escuridão. Parecia, a mim, que o triunfo do Mal seria absoluto."  (pág. 125)

"De tal modo estou mergulhado no sangue,
que, se não for mais adiante, 
a volta será tão difícil quando a travessia."  (pág. 187)







Publicado pela Intrínseca <3, são 238 páginas, e um dos melhores suspenses que já li. Eu sei que eu geralmente falo que muitos livros que passam por aqui são os melhores, mas acho que é bom termos vários favoritos, assim nunca ficaremos batendo na mesma tecla sempre de 'só um livro presta'. Eu acho que eu paguei menos de 10 reais por esse livro, numa das promoções loucas do Submarino. <3 Já citei o quanto eu gosto de pagar pouco por livros ótimos? ;)
Estou tentando deixar minhas resenhas mais curtas, por motivos de que eu talvez esteja falando um pouquinho demais sobre o livro. Mais do que deveria, sabe? Então se você quiserem falar o que acharam é só deixar um comentário. :) 

Ps, todas as fotos foram tiradas por mim e minha cinquentinha, com a ajuda do tripé. É impressionante o que fazemos durante a madrugada, concordam?

Espero que tenham gostado :)
Au revoir

Postar um comentário

Latest Instagrams

© Não Seja Julieta. Design by FCD.