Na estante: Sombra e Ossos

Pelas Terras de Ravka
Olá, como vai você? Gostaria de começar essa resenha dizendo que estou muito feliz em faze-la. "Sombra e Ossos" é, no mínimo, surpreendente. Esse livro foi um presente de Natal da minha irmã, e tenho que dizer que ela acertou em cheio. Eu já falei na resenha de "No Escuro" que não estava encontrando livros de fantasia que mereçam ser classificados nesse gênero. Porém, aqui está, meu presente de Natal foi definitivamente mágico.
Uma das minhas surpresas foi quando abri o livro e descobri que havia uma mapa (lindo!) desenhado dentro de suas primeiras páginas, o que fez meu coração parar por milésimos de segundos. Obrigada, Leigh! Sua impressão do mapa é que ele parece um pouco vazio. E ao decorrer de sua leitura você entende o porque. Além do mapa, o livro inteiro contém gravuras lindas e detalhadas, acho que é sempre bom você ver o quanto o autor e a editora se dedicaram em imergir o leitor na história.
Em "Sombra e Ossos" acompanhamos a história de Alina Starkov, uma orfã de guerra. Cartografa do exercito, Alina não demonstra ser nada além de comum. Nossa heroína, que não se parece com uma heroína tão pouco, é apresentada como sempre são apresentados os heróis hoje em dia, quase que imperceptivelmente. E mesmo quando Alina descobre seus poderes, os vivencia, e os fortalece, ela ainda não se parece como uma heroína. Ela está sempre sendo empurrada pelo seu amigo Maly ou por seu recente guia, Darkling. E principalmente, ela está sendo empurrada por um sentimento de insegurança e incapacidade. E por mais que algumas vezes Alina se veja com um senso muito vitimizado da situação, ela é uma personagem cativante. E o jeito que ela inverte toda a situação, é extraordinário e natural. É necessário considerar que apesar de Alina se sentir atraída pelos dois senhores citados anteriormente (Maly e Darkling) a autora definitivamente não tece um triangulo amoroso na história, obrigada! Não tenho nada contra romances, nada contra triângulos amorosos, mas a história da "Trilogia Grisha" já é tão boa, que se a autora quisesse mesmo focar em triângulos amorosos, tudo estaria perdido. Um fato interessante é que os personagens secundários apresentados são interessantes e misteriosos ao mesmo tempo, creio que a autora esteja esperando os outros livros para contar mais sobre eles. São infinitas possibilidades.
O ritmo do livro é muito agradável, para você ter uma ideia eu comecei ler a uma da manhã do dia 25 de Dezembro (sim, depois da ceia de Natal), me estendi até as 3 da manhã e o terminei as 18:00 da tarde. Do mesmo dia.  (e agora, as 19:38 da noite do mesmo dia, estou escrevendo essa resenha) Com isso você pode até pensar, "Hmmmm deve ser uma leitura fácil", errado. Só porque é uma leitura prazerosa, não significa fácil. Nossa querida autora Leigh Bardugo, nos deu uma fantasia completa. Reinos, dialetos, criaturas mágicas e sombrias, uma ordem de "feiticeiros" (Grishas), soldados dos homens e um mapa.
Cores definem as patentes de cada Grisha, sua categorias e subcategorias. O Rei e seus homens são tidos como tolos, e a população de Ravka é quem sofre com toda ganancia pelo poder. E a única esperança para salvar o mundo da escuridão, é descoberta onde menos se esperaria. Clássico. Porém só porque o enredo é clássico, não diminui a sua autenticidade, A Dobra da Sombra, lugar onde a escuridão é predominante, leva o leitor e os personagens enfrentarem criaturas tiradas dos piores pesadelos.
O livro é lançado pela Editora Gutenberg, possui 287 páginas e já tem seu sucessor lançado pela mesma editora, "Sol e Tormenta", que pretendo trazer para o blog também. Vale lembrar que o terceiro e último livro será lançado em Fevereiro de 2015, chamado "Ruína e Ascensão". Mais alguém ansioso? hahaha











Nossa autora não só deixa pontas na história, mas um vácuo. Imagino eu que ela apenas criou a história toda em sua cabeça e decidiu conta-la em três livros, perfeito. Meu anseio para voltar conhecer as histórias de Ravka é enorme, quero saber até onde Alina pode chegar com seu poder , e se ele a corromperá como fez com tantos outros. "Sombra e Ossos" não tem medo de ser o que ele é, uma fantasia. Pura e real. Leia se você for apaixonado por fantasia. E leia mesmo se você não for apaixonado por esse gênero, é simplesmente um bom livro.

Au revoir

2 comentários

  1. Vamos trocar livros? Adorei a resenha, fiquei com vontade de lê-lo! :D

    ResponderExcluir
  2. Olá :) bem que eu queria hehe, mas sou meio possessiva com meus livros ;P

    ResponderExcluir

© Não Seja Julieta. Design by Fearne.