Griffin & Sabine - Uma Correspondência Extraordinária


Se tem uma palavra que se encaixa perfeitamente nessa história, com toda certeza é a palavra extraordinária. Poucos livros conseguem me pegar de surpresa e fazer com que eu fique dias pensando em como certos acontecimentos foram possíveis.

A impressão desse livro-correspondência (se posso chamar assim) é impecável, é como se você pudesse visualizar Griffin ou Sabine recebendo essas cartas. Porque na verdade, é exatamente isso que você faz. Literalmente você abre o envelope e tira uma das cartas de Sabine, ou um dos cartões postais de Griffin em sua viajem. E dependendo do país onde eles se encontram, eles nos ditam um breve mas belo resumo de suas aventuras por lá. As gravuras bonitas e sinistras, e o mistério constante é a combinação mais perfeita já li. Não há respostas, nunca há respostas. E alguns segredos precisam ser mantidos intactos. 

Sabine é fruto da imaginação de Griffin? Seria ela um tipo de demônio que atormente os cantos mais negros de seu subconsciente? Mas como ela pode não ser real? Sabine instiga uma busca e uma fuja em Griffin que ele nunca lidou em sua vida. De tão irreal que é o conhecimento dos dois por suas respectivas almas, essa experiencia é o relacionamento mais sincero e vazio que ambos tiveram. Ou uma aspiração a relacionamento. Seja lá o for, Sabine e Griffin são reais, mesmo que essa realidade seja volátil.
Eu possuo apenas o terceiro e ultimo livro, que ganhei de um amigo, e nunca consegui encontrar os outros em português. Porém a versão deles em inglês podemos achar na Amazon.

Griffin & Sabine é diferente de tudo que já li, e vez ou outra eu releio todas as cartas desse livro, e mesmo com a dúvida e o mistério não solucionado, fico completamente maravilhada por poder compartilhar dessa correspondência tão pessoal e enigmática. 

Se pudesse trocar uma palavra com Nick Bantock ela seria: essa correspondência continua?

Au revoir

Halo


"Três anjos são enviados à Terra com planos de se misturarem aos humanos para assegurar a paz e trazer a bondade. Gabriel, o Herói de Deus, um antigo guerreiro que se disfarça de professor de música; Ivy, serafim abençoada com poderes de cura; e Bethany, a mais nova e inexperiente do grupo, enviada como uma jovem estudante para aprender sobre a humanidade.
Após Bethany se encantar com a vida humana, ela começa a viver todas as experiências de uma adolescente normal, até se apaixonar por um rapaz e coloca toda a missão em risco. As forças do mal se aproveitarão dessa situação para pôr seus planos malignos em prática. Um romance de tirar o fôlego, que responderá a pergunta: será que o amor é forte o suficiente para vencer as forças do mal?"

Halo não é o primeiro livro que aborta o universo celestial que eu leio. Antes dele eu li (com muito entusiasmo) a saga Hush Hush. Que pretendo trazer para o blog também. Com isso, aprendi a adorar um assunto que eu nunca explorei na literatura. Céu, inferno, anjos e demônios. 

Sou suspeita para falar, mas histórias sobrenaturais sempre chamaram minha atenção. E fazia algum tempo que queria entrar no universo de Halo. E foi no Submarino que consegui essa proeza.

Para mim, histórias celestiais sempre tem um gostinho de Apocalipse. Fim do mundo, destruição da Terra, e afins. Posso dizer que sou fã do tema, que tem se popularizado com frequência, de series a livros, e filmes. Nem todas as histórias são boas, sempre vale a pena conferir quantas milhares de maneiras o nosso mundo pode acabar. Não que seja bom, mas é bem divertido.
Halo começa com três anjos descendo a Terra. Você pode pensar que isso de nenhuma maneira isso seria uma coisa boa, porém a missão deles aqui é manter a humanidade, bem, o mais humana possível. Lembrar que pequenos e bons atos no dia a dia faz com que o mundo caminhe bem. E no livro exemplifica que não há grandes mudanças, e sim pequenas mudanças que se tornarão grandes feitos.

Bethany, nossa protagonista, é uma garota doce, que enfrenta sua primeira missão na Terra. É inexperiente, e possui um carisma com os humanos bem maior do que os anjos normais, isso quer dizer que ela se adapta melhor aos costumes mundanos. E ela se adapta tão bem, que se apaixona por Xavier. Um casal que moverá céus e terras para compartilhar uma existência juntos.

Os personagens secundários se resumem aos irmãos de Bethany, Gabriel e Ivy e ao misterioso garoto com sotaque britânico, Jake. Personagens esses, que achei extremamente interessantes. Porém não são muito explorados.

Há toda uma mitologia sobre os anjos, e como são divididos suas tarefas, e que cargo ocupam perante a Deus, porém a autora não deixa muito a assunto aprofundar. Espero poder ler mais dessa parte da história nos próximos livros.
Não se engane, Halo conta a história que prometeu em sua sinopse. Se você ler o livro esperando uma guerra entre o bem o o mal, vai se decepcionar. É um romance jovial e inocente. Um leitura morna para ler em um Domingo com chá e bolinho de chuva. Entretanto a função de um livro, é, antes de tudo, nos deslocar de nossa realidade e nos deixar flutuar nas mais altas nuvens, ou nos fazer explorar os mais profundos vales e Halo não foge a regra. 

Espero voltar em breve a Venus Cove, e explorar o que essa pacata cidade reserva. 

Au revoir :)
© Não Seja Julieta. Design by Fearne.